RSS
Facebook
Facebook
Pinterest
Pinterest
Instagram

Escrita: Se fosse remédio, custaria uma fortuna

… mas não é, e não custa quase nada (só o preço de um caderno e uma caneta)

 

Existe um remédio infalível para aliviar quase tudo. Esse medicamento já ajudou veteranos de guerras, estudantes ansiosos, pacientes hipertensos, vítimas de traumas diversos, pacientes com câncer, homens e mulheres passando por períodos de luto, pacientes com quadro de asma, artrite reumatóide e até pacientes internados em alas psiquiátricas. Já foi comprovado que esse pequeno milagre reforça o sistema imunológico, melhora o humor, alivia os sintomas de quadros depressivos, reduz a ansiedade e até ajuda a emagrecer!

Mas que remédio é esse que desempenha funções tão vastas e custa uma porcentagem do que os remédios de farmácia custam?

O nome desse remédio é: escrever.

O bem estar que a escrita traz surpreende até mesmo os pesquisadores que se debruçam sobre o tema. Com base nos resultados de suas pesquisas, pode-se dizer que se a escrita fosse remédio, ela seria considerada um tipo de Viagra, Prozac ou Valium. Só mais barata, claro.

Mas a escrita não tem marketing por trás, não é receitado por médicos nem encontrada no balcão da farmácia. Talvez por isso suas virtudes sejam ainda tão desconhecidos, e o motivo pelo qual você não fazia ideia que tinha um medicamento tão eficaz ao alcance das mãos

“Mas de onde você tirou isso?”, você se pergunta. Se é para acreditar no que estou escrevendo, que eu tenha resultados para mostrar, certo?

Nas últimas décadas, psicólogos e pesquisadores (entre eles James Pennebaker, Gillie Bolton, Louise DeSalvo, Epston & White, etc.) chegaram à conclusão que escrever sobre si mesmo – sobre nossas experiências pessoais e as emoções atreladas a elas – melhora significativamente nossa saúde mental, beneficia nosso sistema imunológico e reduz nossas idas aos médicos.

 

Mas como a escrita exerce todo esse poder sobre a nossa psique?

  • Para começar, a escrita faz bem porque nos dá a oportunidade de externar sentimentos.

Expressar verbalmente as dores em público pode nos colocar em estado de vulnerabilidade – e ninguém quer se sentir vulnerável, muito menos em público. Isso leva com que guardemos uma grande dose de sentimentos não falados dentro da gente. Escrever é uma forma de colocar para fora o que geralmente não podemos.

  •  Segundo, escrever nos dá a chance de conhecer melhor nossos sentimentos.

Pensar é um ato caótico. Pensamentos pulam de um lado para o outro, são velozes e fragmentados. Escrever os aquieta, e nos dá a chance de explorá-los melhor e em profundidade. Quando entendemos seu padrão, suas repetições e modos de operar, podemos arrumar soluções para o que estamos passando.

  • Além disso escrever permite a expressão de sentimentos difíceis em seu próprio tempo, onde você escolher.

Uma agenda, um caderno ou um diário são formas seguras de expressar o que estamos sentindo sem nos sentirmos julgados.

  • Para finalizar, escrever tem efeito catártico.

Quando você escreve, você bota pra fora o que está entalado, aliviando a pressão interna e reduzindo o impacto da dor.

 

E por que não vemos todo mundo escrevendo, ja que faz tão bem?

 

Em primeiro lugar, acredito que muita gente escreva durante seus momentos privados. Eu mesmo mantive por anos diários onde escrevia sobre os meus dias, depois onde escrevia sobre os meus sentimentos. Acredito que muita gente faça o mesmo, e se beneficie tremendamente disso.

Só que muita gente ainda desconhece esse benefício. Acha que escrever leva tempo, é difícil, é coisa de escritor. Se questiona sobre o que escreveria, duvida que possa dar certo. Tem gente que desiste antes mesmo de começar.

O fato é que escrever é algo natural (para quem aprendeu a escrever, claro) e sim, precisa de tempo (mas não tempo demais! – trinta minutos pela manhã e você já pode sentir a diferença ). Não é coisa de escritor, não é coisa para quem pode. É pra quem quer e precisa.

Para escrever, basta querer. Você consegue achar um tempinho no ônibus, de manhã cedinho quando a casa ainda está em silêncio, ou antes de dormir. Na pausa do almoço ou enquanto espera as crianças na natação. Esse é o jeito mais barato que existe de terapia.

  

 

 

E por onde começar? O que escrever na página branquinha na frente da mão?

Pensando nisso, escolhi três exercícios para quem quer começar hoje o seu processo de cura (a propósito: escrever durante um tratamento psicológico potencializa a melhora, sabia? Lembrando também que se você se sente muito mal e acredita precisar de tratamento psicológico, sugerimos de todo coração que procure ajuda profissional na sua localidade!)

Papel e canetas à postos? Então vamos lá!

 -Que tal começar pela sua linha da vida?

Trace uma reta por toda a extensão de um papel A4. No início, coloque sua data de nascimento, e no fim da linha, a data de hoje. Marque ali todos os eventos importantes que já te aconteceram. Casamento, acidentes, mortes na família, nascimentos, festas, alegrias, conquistas. Sua linha da vida dará uma boa idéia sobre seus melhores e piores momentos, e sobre o que pode continuar escrevendo.

-O que quer tratar com a escrita?

Você também pode escrever sobre o que está sentindo no momento. O que você quer resolver/ alcançar com a escrita? Uma dica: que tal escrever no título, em letras garrafais, o que quer da atividade? Você deseja mais autoconfiança? Gostar mais de você mesmo(a)? Encontrar uma saída para um dilema? Traçar uma meta vai te ajudar a correr atrás dela.

– Respire fundo e responda: Eu me sinto…

Outra dica bastante recomendada por terapeutas é fechar os olhos antes de começar a escrever, respirar profundamente até acalmar os pensamentos e em seguida, iniciar sua escrita com a frase “Eu me sinto…”. A partir daí, deixe sua mão guiar você. Não pense demais, o segredo da escrita curativa é dar um tempo da mente racional, analítica, e mergulhar naquele lugar tranquilo onde fica nossa intuição.

 

Ah, e não se esqueça de colocar a data no início dos seus escritos! Mudanças acontecem quando menos percebemos, e você vai querer saber quando elas começaram a acontecer!

 

E você, já sentiu os benefícios da escrita alguma vez? Deixe seu depoimento aqui!

 

Paz e bem,

RSS
Facebook
Facebook
Pinterest
Pinterest
Instagram

Deixe um comentário